quarta-feira, 1 de julho de 2020

Fechamento de Junho 2020 - R$ 185.799,00 (12,39% da Meta)


Olá Senhores!!!

Meta: R$ 1.500.000,00

Aporte do mês
R$ 2.312,70 (30% salário) 
R$    584,05 (50% extra)
----------------
R$ 2.896,75 arredondei para R$ 2.900,00 

ps1: tem 5% do salário (R$ 385,45) que vai direto (desconto em folha) para plano de previdência privada.
ps2: os outros R$ 584,05 das horas extras foram compor a reserva de emergência.

I - Ações BR (R$ 30.683,81)



II - Fundos Imobiliários FII (R$ 14.216,74)


Compras:
LVBI11      05
XPML11    03


III - Ações EUA (R$ 20.090,67) - Dolár $5,46 - 30.06 (cotação)


Compras:
MSFT     01
ETF BIL


IV - Reserva de Valor (R$ 8.058,74)



Compras:
ETF IAU (ouro)
BITCOIN

V - Renda Fixa e Outros (R$ 9.195,95)


PS: em 2018 caí na malha fina da receita redefal e ontem (30.06) finalmente caiu minha restituição do Imposto de Renda daquele ano, R$ 7.557,45. Ainda vou decidir como vou distribuir esse valor.


VI - Previdência + FGTS (R$ 103.553,09)


Ps: Plano de previdência ainda com aquela conversa mole que estão fazendo os calculos desde janeiro por isso não atualizaram o valor.


VII - Rentabilidade


Rentabilidade desde o Início (16.08.18)

ps: essa rentabilidade é somente brasil (ações e FII) obtida através do aplicativo Kinvo.

VIII - Dívidas

🏠 Apartamento - R$ 33.584,88 (financiamento pausado) 
🚗 Carro - R$ 10.729,43

Resumo da carteira:

Total Renda Variável (ações BR + FII + ações EUA)     =  R$64.991,22 -  34,98%
Total Reserva de Valor (Bitcoin + Ouro)                     =  R$8.058,74 -    4,34%
Total Renda Fixa (Saldo das contas)                           =  R$9.195,95 -    4,95%
Total Previdência + FGTS                                           =  R$103.553,09 -  55,73%




IX - Tempo - 129 horas e 37 minutos.

Em Maio comecei usar um APP para monitorar minhas atividades. Isso mostra que sempre temos tempo para nos aperfeiçoarmos em algo e treina a disciplina. Abaixo as categorias.

  • F.I.R.E: Tudo relacionado ao mundo das finanças/investimentos.(podcast, canais YT, leitura de relatórios, Instagram, twitter).
  • Inglês: Tudo relacionado ao estudo de Inglês. (Esse mês compro o curso do Mairo Vergara)
  • Marketing Digital: Minha nova paixão, estou devorando e seguindo umas feras para monetizar meu conhecimento.
  • Netflix/Amazon/Ps4: Jogar, assistir serie/filme.
  • Atualidades: Como não assisto TV, procuro estar atualizado de outras maneiras. (podcast de noticias/drops diários, twitter, capas dos principais jornais do brasil/mundo, instagram.
  • Autoconsciente: meditação, podcasts, alguns canais no YT que fala sobre mente, estoicismo.
  • Livros: Ano passado li alguns livros, esse ano tô na luta para acabar o segundo, procuro ler um livro de finanças/mercado/investimentos e quando acabar um outro com tema diferente. Atualmente estou lendo "o jeito peter lynck de investir", antes dele li o "sapiens" do Harari.
  • Atividade Física: Tentar focar na saúde, qualidade de vida, por consequecia o perder peso virá.
  • Oratória Persuasiva: Estou fazendo um curso de Oratória.
  • Particular: Vai desde criação dos filhos, passando por física quântica, Bonsai, Tecnologia, Futuro entre outros assuntos não relacionados as categorias citadas. Originalmente a categoria tem o MEU NOME, nisso coloquei o nome PARTICULAR por cima usando toda minha habilidade de edição, para manter o anomimato.


Junho 2020



É isso senhores!!! 

Um Beijo Grande!!!

terça-feira, 16 de junho de 2020

Post do Amigo Aposente Cedo

Link - Doar sem gastar


Doar sem gastar

Cashback integral de doações. Este é o post mais importante que escrevi até o momento, portanto, agradeço se puder compartilhar nos grupos de WhatsApp, e-mails, Facebook, em seu blog ou canal de Youtube (fique à vontade para copiar e colar, não faço questão de ter o crédito, mas de espalhar a corrente do bem).

Mensalmente faço pequenas doações em dinheiro para instituições que acredito e, semestralmente, faço doações de roupas e outros bens. Preciso confessar, porém, que os valores que doo são ínfimos diante da minha renda e patrimônio. Quanto mais me aproximo da aposentadoria precoce, mas chego à conclusão de que devo contribuir mais para a sociedade e com aqueles que mais necessitam. Como todo bom FIREe, procuro economizar onde for possível, assim como maximizar meus impostos, por isso venho pesquisando cada vez mais meios de realizar doações e fazer valer as possíveis deduções de impostos previstas na lei poderíamos entrar aqui numa longa discussão sobre a finalidade de uma doação esse o bem maior buscado pelo doador seria autossatisfação e não ajudar ao próximo, mas prefiro deixar isso para outro momento. Acredito que o que irei escrever a seguir Sirva como uma ótima introdução ao mundo da filantropia para aqueles que gostariam de fazer um bem ao próximo sem gastar absolutamente nenhum dinheiro, portanto peço a leitura atenta das questões a seguir:

O assunto que quero abordar está detalhado no link abaixo:

Resumindo, você pode, ao invés de simplesmente pagar o imposto de renda, utilizar parte do valor devido (até 6% caso você tenha feito a doação no ano fiscal anterior ou até 3% no mesmo ano, antes da declaração de IRPF) para doar para instituições devidamente cadastradas pelo governo. Isso também serve para quem tem imposto a RESTITUIR, pois o valor doado será acrescido /devolvido em sua restituição.
Desta forma, você estará fazendo doações a instituições que acredita sem gastar absolutamente nada, visto que você será restituído integralmente do valor doado através da diminuição do imposto que você pagaria de qualquer jeito ou aumentando sua restituição. Esta também é uma forma de saber exatamente para onde está indo o imposto sobre a tão suada renda que você produziu, diminuindo a velha reclamação de que você não sabe o que o governo faz com seu dinheiro. Você deve observar os limites de doação restituíveis no link mencionado acima e na legislação pertinente.
Então, caro leitor, caso você não tem ainda o hábito de fazer doações, este é um bom começo. Sugiro que você não se limite a realizar doações nas quais consiga cashback. Independentemente de qualquer retorno financeiro, procure ajudar aqueles que precisam e não tiveram a estrutura que você teve, seja para uma causa educativa, cultural, dos animais, da Criança, do idoso, ou do que você acreditar e simpatizar.
Um exemplo de instituição para doar, com um tutorial prático:
Outro link com tutorial prático para fazer a doação diretamente na declaração de IRPF (neste caso, limitado a 3%, já que você não fez no ano fiscal anterior):

Tenho como meta pessoal, uma vez atingida a independência financeira (falta pouco!), fixar doações entre 10% e o limite de minha renda passiva, desde que não prejudique meu orçamento familiar programado. Nestas doações se incluem tanto as que poderei ter algum tipo de cashback, quanto as que não conseguirei ter, bem como doações diretamente a pessoas físicas, parte de minha família que mais necessite, amigos que possam estar precisando ou causas não regulamentadas. Lembre-se que toda iniciativa de valor começa pequena e a maioria daqueles que organizam um projeto social ou colaborativo inicia na informalidade, portanto, caso você conheça algum projeto nessa situação, não só colabore financeiramente, como também busque instruir, agora que você tem as informações acima, como torná-lo legal e apto a receber verbas do governo e aumentar o poder de arrecadação de doadores.

Você pode ter sim muitos méritos próprios para ter chegado à independência financeira e ter a possibilidade de se aposentar cedo, mas se lembre de que você nunca conseguiria isso sozinho. Tenho certeza que em algum momento da vida você contou com o apoio de familiares, amigos e estranhos. Às vezes um simples ato pode mudar a forma de ver o mundo e espero que esse post seja um desses atos em sua vida, ajudando você a se tornar uma pessoa ainda melhor e, indiretamente, ajudando todos aqueles que receberão suas doações daqui para frente.
Como a maioria dos brasileiros deixa para fazer a declaração de IRPF nos últimos dias de prazo, espalhe essa mensagem o quanto antes, já que estamos nas duas últimas semanas de prazo neste ano. Se souber de alguma instituição de confiança, não deixe de indicar nos comentários.

Não posso fazer todo o bem que o mundo precisa, mas o mundo precisa de todo o bem que eu possa fazer.” – Jana Stanfield

Abraço

domingo, 31 de maio de 2020

Fechamento de Maio 2020 - R$ 169.544,08 (11,30% da Meta)


Olá Senhores!!!

Meta: R$ 1.500.000,00 (prazo de 13 anos e 141 dias )


>Objetivo Carteira Principal. 
50% em ações BR - 25% em FII
4% em renda fixa (caixa) - 6% em REITs e Stocks (3% em cada)
15% em BTC e Ouro (7,5% em cada)

>Objetivo Carteira Exterior. 

60% em ações BR - 40% em ações EUA

Aporte do mês
R$ 2.312,70 (30% salário) 
----------------
R$ 2.315,00 arredondei 

tem 5% do salário (R$ 385,45) que vai direto (desconto em folha) para plano de previdência privada.

I - Ações BR (R$ 27.329,82)


Compras:
GRND3      08 
ITUB3       80


II - Fundos Imobiliários FII (R$ 12.360,27)


Compras:
IRMD11     06
LVBI11      01
RBED11    05

Vendas:
FIIP11B     05     


III - Ações EUA (R$ 17.341,18) - Dolár $5,33 - 29.05 (cotação)


Compras:
FB     01
ETF BIL


IV - Reserva de Valor (R$ 7.486,51)


Compras:
ETF IAU (ouro)


V - Renda Fixa e Outros (R$ 1.831,66)



VI - Previdência + FGTS (R$ 103.194,64)


VII - Rentabilidade


Rentabilidade desde o Início (16.08.18): 30,07% 

Obs: essa rentabilidade é somente brasil (ações e FII) obtida através do aplicativo TradeMap, não encontrei ainda algum aplicativo para unificar os investimentos brasil e EUA (aceito sugestões).

VIII - Dívidas

🏠 Apartamento - R$ 33.333,38 (financiamento pausado) 
🚗 Carro - R$ 43.128,89 

Resumo da carteira:

Total Renda Variável (ações BR + FII + ações EUA)     =  R$57.031,27 -  33,64%
Total Reserva de Valor (Bitcoin + Ouro)                     =  R$7.486,51 -    4,42%
Total Renda Fixa (Saldo das contas)                           =  R$1.831,66 -    1,08%
Total Previdência + FGTS                                           =  R$103.194,64 -  60,87%



IX - Tempo - 62 horas e 12 minutos.

Dia 18 comecei usar um APP para monitorar minhas atividades. Toda vez que inicio uma atividade começo a contar o tempo, dividi nas categorias abaixo. Isso mostra que sempre temos tempo para nos aperfeiçoarmos em algo e treina a disciplina. Com o tempo vou aprimorando as categorias.

  • F.I.R.E: Tudo relacionado ao mundo das finanças/investimentos.(podcast, canais YT, leitura de relatórios, Instagram, twitter).
  • Inglês: Tudo relacionado ao estudo de Inglês.
  • Marketing Digital: Minha nova paixão, estou devorando e seguindo umas feras para monetizar meu conhecimento.
  • Entretenimento: Jogar PS4, assistir serie/filme, basicamente o que não se enquadra em nenhuma das outras categorias.
  • Atualidades: Como não assisto TV, procuro estar atualizado de outras maneiras. (podcast de noticias/drops diários, twitter, capas dos principais jornais do brasil/mundo, instagram de algumas pessoas que sigo)
  • Autoconsciente: meditação, podcasts, alguns canais no YT que fala sobre mente, estoicismo.
  • Livro: Ano passado li alguns livros, esse ano tô na luta para acabar o segundo, procuro ler um livro de finanças/mercado/investimentos e quando acabar um outro com tema diferente. Atualmente estou lendo "o jeito peter lynck de investir", antes dele li o "sapiens" do Harari.

Otimização do tempo: 

     Tirando musicas que ouço na velocidade "normal" todo o resto vai para a velocidade 2x, esse costume adquiri quando estudava para concurso e meu cérebro já está acostumado. 
     Então, quando estou lavando louças, sempre estou ouvindo um podcast ou vendo um vídeo no YT sobre algum tema das categorias acima, quando estou dirigindo sempre tem um podcast tocando. No banheiro, no banho, na sala, na hora do almoço na empresa (as pessoas até hoje falam que não fico interagindo). 
     Daí eu penso: "interagir pra que? pra ficar reclamando do governo/politica, comentando as noticias lesas da TV, reclamando do almoço, reclamando da empresa, da vida, que tá sol, que tá chuva, reclamando, reclamando, reclamando, reclamando", prefiro eu tá me aprendendo algo do que fazer parte dessa cultura do reclamismo. 

Enfim



É isso senhores!!! 

Um Beijo Grande!!!



sábado, 2 de maio de 2020

Fechamento de Abril 2020 - R$ 161.071,12 (10,73% da Meta)

Olá Senhores!!!

Meta: R$ 1.500.000,00 (prazo de 13 anos e 167 dias )


>Objetivo Carteira Principal. 
50% em ações BR - 25% em FII
4% em renda fixa (caixa) - 6% em REITs e Stocks (3% em cada)
15% em BTC e Ouro (7,5% em cada)

>Objetivo Carteira Exterior. 
60% em ações BR - 40% em ações EUA

Aporte do mês
R$ 2.284,20 (30% salário)
R$    131,88 (100% Extra)
----------------
R$ 2.420,00 arredondei 

tem 5% do salário (R$ 380,70) que vai direto(desconto em folha) para plano de previdência privada.

I - Ações BR (R$ 23.311,58)
                                      

ps: última coluna é a variação % em comparação com o mês anterior.

Compras:
SAPR11     40
BBAS3       30
ITSA4        30
EGIE3        15
ABEV3       50
MDIA3       03


II - Fundos Imobiliários FII (R$ 11.521,34) 



III - Ações EUA (R$ 14.238,87) - Dolár $5,49 - 30.04 (cotação)


Compras:
ETF BIL     


IV - Reserva de Valor (R$ 6.893,33)




Compras:
BITCOIN     0,00873662


V - Renda Fixa e Outros (R$ 2.540,13)





VI - Previdência + FGTS (R$ 102.565,87)


PS: decidi adicionar previdência + fgts. 
  • Previdência vai ser tornar liquida quando eu pedir as contas da empresa. Então vai fazer parte do patrimônio. O valor permanece o mesmo de JAN pois não atualizaram FEV e MAR (vou procurar saber na SEG quando voltar ao trabalho)
  • FGTS a cada 2 anos utilizo para abater o financiamento habitacional. Utilizei esse ano por isso o saldo pequeno. Como optei pelo saque aniversário em OUT vou sacar uma % do acumulado que vai 100% para aportar.
  • Esse foi o racional do porque adicionar os 2 na soma, de forma direta ou indireta me ajudam a crescer patrimônio.

VII - Rentabilidade



Rentabilidade desde o Início (16.08.18): 25,08% 

Obs: essa rentabilidade é somente brasil (ações e FII) obtida através do aplicativo TradeMap, não encontrei ainda algum aplicativo para unificar os investimentos brasil e EUA (aceito sugestões).

VIII - Dívidas

🏠 Apartamento - R$ 33.083,51 
🚗 Carro - R$ 43.380,99 

Resumo da carteira:
Total Renda Variável (ações BR + FII + ações EUA) =     R$ 49.071,79 -  30,46%
Total Reserva de Valor (Bitcoin + Ouro) =                     R$   6.893,33 -    4,28%
Total Renda Fixa (Saldo das contas) =                           R$   2.540,13 -    1,58%
Total Previdência + FGTS =                                           R$102.565,87 -  63,68%


É isso senhores!!! 

Um Beijo Grande!!!

sábado, 18 de abril de 2020

Quedas na B3

Olá Senhores!!

Vamos falar sobre as quedas no Ibovespa.

O Ibovespa iniciou em 1968, sendo que até 1994 tínhamos altas e quedas expressivas unicamente pela hiperinflação, então vamos falar depois do Plano Real.

Uma queda forte significa quedas no total superiores a 40% entre a máxima e a mínima.

Vocês verão que chegamos a 5 momentos de queda superior a esse percentual, sendo a mais curta em 2008, em que tivemos apenas uma pernada para baixo, e a mais longa foi a da recessão recente em que a Bolsa caiu por quatro anos.

Veremos ainda que as quedas não são lineares. As quedas são realizadas em ondas (uma queda forte, uma alta menor, outra queda forte, uma nova alta menor e assim sucessivamente até inverter). Alguns períodos de alta são tão grandes que acabam nos enganando quanto ao final da crise.

PRIMEIRA QUEDA – 1997 A 1998

Logo após o início do Plano Real, em 1994, a Bolsa teve uma alta muito forte. O fim da hiperinflação e a paridade cambial “colocou” dinheiro no bolso dos consumidores e dos empresários, que foram às compras. Nesse momento, começou a aumentar o comércio externo brasileiro também. E foi esse comércio externo que deflagrou a primeira crise. 

Em 1997, tínhamos várias lojas espalhadas pelo grandes centros. A idéia do “Dollar Dream” já estava no inconsciente das pessoas. Agora, sem viajar para o exterior você poderia comprar itens de 1 dólar por apenas 1 real. Nos locais mais pobres havia as lojas de R$ 0,99.

Grande parte desses itens vinha de países asiáticos. A economia da China nessa época ainda era pequena, e quem destoava eram os tigres asiáticos: Cingapura, Taiwan, Hong Kong e Coreia do Sul.

Em 1997, tivemos a crise dos tigres asiáticos. As indústrias nacionais, que passaram três anos sem conseguir competir com aqueles preços, já não conseguiam produzir produtos com a mesma eficiência. Muitas estavam abertas a duras penas sem realizar investimentos. Em 1998, um golpe mais forte ainda. A crise do calote russo. A Rússia deixou de pagar suas dívidas e, embora o Brasil não fosse credor da Rússia, o dinheiro saiu de forma tão forte de qualquer país emergente, assim como do Brasil, que ficou difícil para o Brasil manter a paridade cambial em 1 dólar para 1 real. Usamos uns modelos de bandas cambiais em que a desvalorização ocorria aos poucos, mas em janeiro de 1999, já sem reservas e altamente dependente do FMI, o Brasil adotou o câmbio flutuante e, para evitar a saída de tantos dólares, jogou os juros para 41% ao ano.

O resultado foi o dólar saindo de cerca de R$ 1,20 para R$ 2,10 em menos de uma semana.

Veja, no gráfico abaixo, como a Bolsa se comportou.


ONDAS           VARIAÇÃO           TEMPO (DIAS ÚTEIS) 
1                        -46,44%                         90 dias úteis 
2                         63,24%                        110 dias úteis 
3                        -62,89%                        106 dias úteis 
Total                   -67,41%                        306 dias úteis

Veja, na tabela acima, que a maior queda foi a que ocorreu em 1998 após o calote russo, ou seja, quando a economia já estava debilitada. A desvalorização cambial de 1999 não fez a Bolsa alcançar um nível tão baixo como o de 1998.

A crise durou 306 dias úteis (quase 15 meses) e a Bolsa perdeu 67,41%.

Quem investiu naquela máxima perdeu ⅔ do capital investido. Quem tinha R$ 30.000,00 perdeu R$ 20.000,00. Quem tinha R$ 3 milhões perdeu R$ 2 milhões.

Qual é o antídoto para não perder tanto? 

Investir dinheiro nas quedas – durante as ondas 1 e 3 que vimos na tabela acima; evitar ao máximo investir na onda 2. 


SEGUNDA QUEDA - 2000 A 2002

A Bolsa teve uma alta surpreendente em 1999. Foram mais de 150% de alta recuperando toda a queda anterior. A Bolsa ainda seguiu em alta até março de 2000, quando atingiu os 19.000 pontos pela primeira vez.

Sinais de euforia eram nítidos. Metas de inflação, política ortodoxa econômica pela primeira vez na história brasileira, além da expectativa com o segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso. Afinal o slogan dele era “o homem que acabou com a inflação vai agora acabar com o desemprego”.

As empresas investiram, o Brasil reduziu custos taxando os inativos e entregou superavit primário por muitos anos seguidos. Ficamos cada vez menos dependentes do FMI. Mas a alta foi muito forte.

No exterior, em 2000, estouro a crise da empresas ponto.com; em 2001, tivemos o racionamento de energia, o ataque terrorista às Torres Gêmeas, que reduziu o comércio com os Estados Unidos, e em 2002, o que seria o “golpe final na recuperação brasileira”: a eleição do Lula.

A eleição do Lula em 2002 era vista com muito pânico.As pessoas falavam que o Lula traria o socialismo ao Brasil, diziam que iria acabar a propriedade privada, falavam que não adianta comprar ações na Bolsa, porque após as eleições as empresas vão ser estatizadas mesmo.

Quanto maior o pânico, maior a recuperação posterior. E foi isso que ocorreu. De 2003 a 2007 tivemos o maior bull market deste século.

Vamos ver no gráfico sobre essa crise, mas o grande ensinamento aqui é que as pessoas tendem a exagerar.

Exageram para cima quando tudo parece bem e exageram para baixo quando tudo parece mal. Logo, atualmente a tendência é que exista uma precificação exacerbada para baixo que nos trará uma maior rentabilidade no futuro.


ONDAS           VARIAÇÃO           TEMPO (DIAS ÚTEIS) 
1                        -29,72%                       185 dias úteis 
2                         35,76%                         40 dias úteis 
3                        -47,44%                        165 dias úteis 
4                         51,93%                        135 dias úteis 
5                        -43,41%                        150 dias úteis 
Total                   -56,97%                        665 dias úteis


TERCEIRA QUEDA – 2008

Essa foi a queda mais curta, diferente dos países desenvolvidos, que demoraram mais para se recuperar. O que é melhor: tirar um band-aid rápido ou devagar?

O ex-presidente da república, inclusive, se referiu à crise como uma “marolinha”, porque o Brasil com crescimento dos gastos do governo e se aproveitando do baixo endividamento após vários anos gerando superavit e reduzindo juros que o Brasil tinha.

Em 2010, o Brasil entregou o maior crescimento do PIB deste século. Uma alta superior a 7%, muito acima das previsões de 5% da época.

Nos Estados Unidos, durante o período de alta de 2003 a 2007, os imóveis se valorizaram muito, e era normal o refinanciamento do imóvel. Funcionava assim.

A família padrão americana e fictícia “Smith” hipoteca a sua casa e paga as parcelas como todos os americanos. A casa custava 200 mil dólares. Após dois anos, essa mesma casa já estava valendo 400 mil dólares, e como a dívida da família Smith agora era de apenas 160 mil dólares, o Sr. Smith tem uma grande idéia: vamos realizar uma nova hipoteca da casa. Ele sai com 160 mil dólares do banco e sua dívida sobe para 320 mil dólares, lastreado no novo valor da casa. Depois de dois anos, a mesma casa já valia 700 mil dólares, e o Sr. Smith realiza a mesma operação saindo do banco com algum dinheiro para gastar no consumo.

A economia americana cresceu muito e os bancos precisavam de mais dinheiro para conceder tanto crédito que era requisitado. Assim, tiveram uma brilhante ideia: empacotar todos esses contratos de centenas ou de milhares de famílias Smith e chamar com um nome bonito (American Real Estate High Yield Bonds, por exemplo). A diversificação em vários contratos garante a segurança da operação. Vende no mercado para pessoas físicas, instituições ou para os hedge funds.

Em 2008, o preço dos imóveis despencou, e a casa da família Smith que valia 700 mil dólares caiu de volta para 250 mil dólares. No entanto, o Sr. Smith devia mais de 500 mil dólares para o banco. Logo, o valor atual da garantia era inferior ao valor da dívida. Centenas de milhares de contratos foram marcados a menor, e estes bonds (aqueles créditos que foram empacotados), passaram a ser conhecidos como “junk bonds” (“títulos podres” em tradução livre).

As inúmeras famílias Smith foram despejadas. Os bancos tentaram vender em massa esses ativos pelo maior valor possível para recuperar o máximo valor possível. Claro que com muita oferta e pouca demanda, os preços dos imóveis caíram mais ainda. Aquele imóvel da família Smith poderia ter facilmente sido arrematado em um leilão a 125 mil dólares. Valor menos que 20% inferior aos 700 mil dólares do ano anterior.

Como esses bonds foram alocados em fundos que investiram ao redor de todo o globo nos dois anos anteriores, essa bolha trouxe problemas para todos os países. No Brasil, vimos uma redução do Ibovespa superior a 60% entre a máxima em maio de 2008 e a mínima em outubro de 2008.


ONDAS           VARIAÇÃO           TEMPO (DIAS ÚTEIS) 
1                     -60,33%                  110 dias úteis 
Total                -60,33%                  110 dias úteis

Na imagem acima, vemos que, em dezembro de 2009, pouco mais de 18 meses depois, a Bolsa já tinha voltado para um patamar similar à máxima de em 23/05/2008.


QUARTA QUEDA - 2012 A JANEIRO/2016

Aquela política de aumento de gastos públicos, aumento de crédito para as famílias, com maior endividamento das pessoas gerou uma supervalorização de alguns ativos, como imóveis em grandes cidades. Imóveis no Rio de Janeiro e em São Paulo chegaram a triplicar de valor em cinco anos.

A política econômica começou a deixar de lado metas de inflação e, mesmo com a economia aquecida e menores níveis de desemprego, apesar do aumento de salários acima da inflação e apesar do aumento da renda do trabalhador, os estímulos à economia continuavam a ser implementados na economia.

Em outra frente, grandes empresas escolhidas pelo governo e alinhadas com a política da “Nova Matriz Econômica” eram escolhidas para receber empréstimos subsidiados abaixo da taxa de captação do Tesouro Nacional.

Funcionava assim: o BNDES emprestava para a JBS um valor com taxa de 4,5% ao ano (via TJLP). O Tesouro Nacional captava a 7,25%. Então, é como se o povo brasileiro tivesse financiando com seus impostos essa diferença. Depois descobrimos que existiram escândalos de propina e suborno para as empresas “escolhidas”. Ou seja, a diferença nem ia para a empresa, mas eram desviadas do país e das contas públicas. Isso ficou claro no dia 17/05/2017, quando houve o circuit breaker do vazamento do áudio do Joesley Batista.

O mercado, como sempre, se antecipou e já imaginava que essa história não acabaria bem. Desde 2012 a Bolsa começou a cair e aos poucos a economia não conseguia mais crescer. Em 2014 o crescimento foi de apenas 0,1%. 2015 e 2016 tivemos uma recessão forte com quedas de 3,3% a cada ano. Mesmo com a contração econômica, a inflação alcançou 10,4% em 2015, e o Brasil estava com sérios problemas. Alguns que não foram corrigidos até hoje, como o déficit primário, ou o alto desemprego, por exemplo.

Essa foi uma crise que foi se desenhando aos poucos e os indicadores econômicos foram decaindo ao longo do tempo. A partir de 2014 a perspectiva de risco cresceu mais e o dólar subiu de R$ 2,10 para R$ 4,00 ao final de 2015. A crise possivelmente seria mais prolongada se não tivesse havido o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Veja, abaixo, a queda total. Embora menor em intensidade, maior em termos de tempo. O que acaba custando mais para os investidores de longo prazo.


ONDAS           VARIAÇÃO           TEMPO (DIAS ÚTEIS)
1                         -24,66%                              95 dias
2                           21,74%                            117 dias
3                         -30,90%                            128 dias
4                          40,79%                            305 dias
5                         -26,80%                              75 dias
6                          27,84%                            100 dias
7                         -27,26%                              80 dias
8                         16,81%                               30 dias
9                         -25,60%                              75 dias
Total                   -46,42%                         1.005 dias


Como podemos ver na tabela acima, o Brasil passou por uma queda total de 46,42% por quatro anos. ou 1.005 dias úteis. Enquanto isso, o índice americano S&P 500 neste mesmo período subia de valor. Veja a imagem abaixo.


Vemos que o S&P 500 subiu quase 80% nesse período, saindo de 1.200 pontos em 2012 para 2.100 pontos em 2016. Esse descolamento que tivemos do mundo é o que me faz imaginar que essa foi a crise mais sofrida para os investidores e para o povo brasileiro.

Quando o mundo todo está em declínio, é muito difícil o Brasil crescer, mas quando o mundo todo cresce nós precisamos aproveitar, como ocorreu de 2003 a 2007, e como perdemos de 2012 a 2016. Aproveitamos depois, de 2016 a 2019.


QUINTA QUEDA - 2020 (ATUAL)

Até o momento, essa queda se assemelha com a de 2008, mais rápida em apenas um mês, mas com menor intensidade (queda de 48% x 60% em 2008).

Uma queda única e forte é o que vemos até o momento, mas ainda podemos ter novas quedas que façam o Ibovespa cair abaixo de 61.000 pontos. Já vimos que em crises quedas superiores a 30% são normais.

Na primeira queda, de 1997 e 1998, a Bolsa caiu 46% e depois subiu 63%, antes de cair 67% de novo.

Na segunda queda, de 2000 a 2002, a Bolsa caiu na primeira onda 29% antes de subir 35% na segunda onda.

Na quarta queda, de 2012 a 2016, a Bolsa caiu 30,9% na terceira onda antes de subir 40% na segunda onda.

Vejam que a subida é maior que a queda, embora o Ibovespa tivesse continuado em tendência de queda

Atualmente tivemos uma queda de 48,76% em 40 dias úteis, de janeiro 2020 a março de 2020. Desde a queda já recuperamos apenas 33% em 20 dias. O normal seria a Bolsa alcançar algo entre 50% e 55%, antes de cair de novo. Isso significa a Bolsa subir rápido até 92.000 a 96.000 pontos nas próximas semanas.

A grande questão é:

1. Não sabemos se teremos uma onda única como em 2008 ou ondas múltiplas como nas outras;

2. Esperar ultrapassar 100 mil pontos para voltar a comprar e ter um pouco mais de certeza que não teremos nova tendência de baixa fará você perder muito dinheiro caso não caia;

3. A Bolsa pode cair antes de atingir os 92.000 pontos. A história nos dá sinais e não garantias;

4. Uma nova queda costuma ser maior que a primeira, o que poderia levar a Bolsa para valores próximos a 48.000 pontos.

Temos algumas suposições, mas não temos certeza alguma do futuro.

Então, o que vou fazer:

● Comprar mais nas quedas;
● Realizar um aporte "pesado" se o Ibovespa cair de 60.000 pontos;

O momento atual não é de saber as boas ações, mas, sim, de gerenciar a carteira.

O momento atual não é de buscar retornos, mas, sim, de proteger a carteira para estarmos mais fortes no futuro, na retomada.

Foquem em S O B R E V I V E R!!!

Um BG!